Páginas

quarta-feira, 29 de outubro de 2008

Encantos de Ubatuba

A costa verde é uma das jóias do litoral de São Paulo, lá descobri Ubatuba, cidade abraçada pelo verde exuberante da Mata Atlântica e banhada pelo oceano Atlântico com seus tons de verdes e azuis. Lá onde cruza o trópico de capricórnio, vão surgindo em meio às montanhas praias que emolduram lindos cenários que prendem o olhar de quem vai dirigindo pela Rio-Santos, é irresistível não parar para fotografar ou simplesmente ficar alguns minutos contemplando a paisagem que suaviza o coração.

São belas praias que acompanham toda a costa, com certeza lá você vai encontrar a sua dentre tantas, tem a Praia Vermelha com ondas bravas ideais para os surfistas, a graciosa Itamambuca, nela o rio que vem descendo da montanha nos propicia deliciosos mergulhos na água doce depois do banho no mar. As ondas de Itamambuca são uma paixão para os praticantes de surf. Tem também a praia das Toninhas com árvores frondosas de sombras refrescantes que permitem passar doces manhãs ou tardes sentadas ao frescor das sombras sentindo a brisa que sopra trazida pelas ondas.

Outras praias como Itamambuca também tem esse encontro do rio com o oceano como a praia do Ubatumirim. Saindo da rodovia e pegando uma estrada de terra chega-se até ela, a visão é deslumbrante, uma extensa praia de areia batida e fina, com um rio que mergulha no mar, dá para atravessar ele nadando até o outro lado da praia e continuar a caminhada. Nessa praia o pessoal costuma ir para acampar.

Pegando uma estrada sinuosa que vai margeando a montanha vamos nos deparando com verdadeiros quadros naturais do mar com pequenas ilhas que afloram do fundo do oceano até chegar ao nosso destino, a Praia da Almada, ela fica entre duas montanhas cheias de pedras escorregadias, por isso é necessário ter cuidado ao andar nas pedras para evitar acidentes, passando por uma série delas chegamos ao outro lado para mergulhar em águas calmas e nos encantar com um cenário não menos admirável que os demais já vistos. A praia é pequena mais compensa a visita pela sua beleza, tem guias no local que oferecem passeios de barco, fica a dica, o passeio é singular, a imagem do lugar vista do mar ficará sempre na sua lembrança. O nome da praia é ideal, aquele lugar tem uma alma encantadora. Tem também a Praia do Félix que tem um cenário espetacular!

Outro passeio imperdível é a visita ao projeto Tamar que fica no centro da cidade. Esse é um trabalho louvável e que tem contribuído bastante para a preservação das tartarugas marinhas no litoral brasileiro. Na sede do projeto tem exemplares de tartarugas que são uma graça e você tem a oportunidade de conhecer um pouco desse magnífico trabalho que está sendo realizado em várias praias da costa brasileira. E falando do centro da cidade, para quem se hospedar por ali, no final da tarde pode fazer uma caminhada, andar de bicicleta ou patins, ou simplesmente sentar nos bancos da orla para um bom bate-papo ou uma boa leitura. Lá também tem opções de restaurantes, bares, sorveterias e diversas lojas.

Descendo algumas trilhas vamos descobrindo várias praias e cachoeiras. As cachoeiras são um espetáculo! Vale adentrar pelas trilhas para se deliciar no banho de águas límpidas que vão formando várias quedas, em uma delas tem um local que forma uma espécie de banheira de hidromassagem, é relaxante ficar ali sendo massageada pela força desse elemento tão rico que é a água. É importante ter cuidado nas cachoeiras para evitar acidentes já que em alguns pontos as pedras são muito escorregadias, é melhor não se arriscar, afinal, o mais importante em uma viagem é aproveitar o máximo os atrativos de forma segura para trazer na bagagem apenas recordações inesquecíveis.

Vale lembrar ainda que em Ubatuba ainda encontra-se preservada uma parte dessa rica floresta em biodiversidade que é a Mata Atlântica, que infelizmente, já foi tão severamente destruída ao longo desses anos de exploração a ponto de restar apenas xx % da floresta que outrora cobria xx % do território nacional. É relevante que os turistas que visitem essa região tenha essa consciência ecológica de respeito pela natureza. Precisamos entender de vez que valorizar o meio ambiente é vital para a continuidade da existência das espécies do planeta Terra, inclusive a nossa.

Ideal você reservar alguns dias para ir pegando a estrada e ir desbravando os vários locais que estão por perto de Ubatuba e que compõem a costa verde de São Paulo, como Caraguatatuba, Ilha Bela e São Sebastião, são cidades encantadoras em meio ao verde da mata atlântica em sintonia com o oceano Atlântico que vai desaguando suas ondas nas diversas praias, cada uma com uma peculiaridade diferente da outra, formando um conjunto de atrativos imperdíveis. São destinos que nos fazem viver intensos e prazerosos momentos que ficam registradas no nosso livro de memórias.

domingo, 19 de outubro de 2008

Grupo Encontro das Águas

Oceano, rios, riachos, nascentes, cachoeiras..
Céu de poesia, criatividade e iluminação
ação poética com espiríto de revolução
retrato da Arte tecida com paixão

Barco por onde navegam amigos
uns nadam...outros remam...
tem o que traz música
vem outro com as letras
que se junta com a imagem...
e assim nasce a paisagem

Olhares...sorrisos...livros..sentidos
mistura que se movimenta nos palcos
registrando a magia da poesia...
no eterno ciclo de aprendizado...

A essência do Encontro das Águas
está no ritmo cadenciado com amor e maestria
por uma MãeMaMariaMarili

sexta-feira, 10 de outubro de 2008

Descobrindo Petar

Planejar uma viagem é sonhar, é imaginar um mundo novo, diferente e cheio de surpresas a serem desvendadas. A ansiedade do encontro com o local escolhido aumenta a cada dia que a data aproxima-se, a espera faz crescer a expectativa e o desejo de vivenciar logo a experiência.

A riqueza do Petar é incalculável, um misto de mata atlântica, rios, cachoeiras, muito verde, borboletas, água cristalina do Betari e as incríveis cavernas escondidas em meio a vegetação. Percorrendo as trilhas, ouvimos os pássaros, o som da água correndo entre as pedras, admiramos as flores das bromélias e a paisagem que a cada olhar se modifica com ramos e árvores moldando os mais belos cenários de um quadro natural.

Quando entrei na caverna me senti tragada pela terra, como se estivesse recebendo um abraço e um abrigo para me proteger dos perigos lá fora. As formações que encontramos no interior das cavernas são intrigantes e fascinantes, moldadas pela ação da água e do tempo há milhares de ano e, mesmo assim, tão frágeis e delicadas, facilmente destruídas pela devastação do homem.

A caverna Santana é bela, jamais vou esquecer da imagem do anjo esculpida na rocha pela natureza, da bailarina dançado no ar sem cabeça, da pata do elefante, das fendas e dos abismos, das cortinas que se descortinam em um retrato singular, da água que corre mansa de encontro ao rio, do escuro e do silêncio.

Para chegar na Caverna Água Suja percorremos uma trilha margeando o rio Betari rica em paisagens deslumbrantes, o grande desafio foi entrar na caverna vencendo o medo e o frio da água, a maioria do percurso dentro dela foi em contato com a gélida água, a recompensa do esforço foi o banho de cachoeira no final. De volta ao núcleo do Parque, andei com passos largos e cheguei na frente, saboreei um momento de paz contemplando o rio Betari mergulhando no seu canto e na sua caminhada em direção ao oceano.

Refeita da trilha, fomos conhecer a caverna Morro Preto, sua entrada é magnífica, cheia de rochas e pedras iluminadas pelas lanternas e pela pouca luz do dia que adentrava das aberturas de sua entrada. Imagino que em um dia de sol, o reflexo de seus raios deve iluminar com tons brilhantes o interior da mesma. Nessa caverna é comemorada de quatro em quatro anos uma festa em homenagem ao Parque, fiquei entusiasmada em participar da próxima, afinal, uma festa na caverna deve ser algo totalmente diferente e emocionante.

Por questão de segurança só caminhamos até o ponto onde a placa permitia, alguns aventureiros mais radicais seguem o curso pelo chamado Aborto, mas, é um trajeto de difícil acesso e muitos riscos, não recomendável. É muito importante seguirmos as normas do parque e instruções dos guias para evitarmos acidentes.

No segundo dia de aventura conhecemos mais uma caverna chamada Lambari após percorrer uma trilha em alguns pontos escorregadia, com alguns tombos e muitas risadas. A Lambari fica dentro de uma montanha, sua entrada é escondida pelos galhos verdes da mata. Ela também é uma caverna molhada e exige uma certa dose de coragem para atravessar um trecho nadando no escuro e sair esgueirando-se por uma fenda. Na saída, fomos conduzidos de volta a pousada no caminhão, alívio para nossas cansadas pernas.

Depois disso, findamos o passeio com um delicioso bóia-croos pelo rio, foi emocionante deixar-se guiar pela correnteza, prender-se ou ser derrubado pelas pedras. Apesar da falta de equilíbrio, foi muito divertido. O melhor mesmo foram os doces mergulhos nas límpidas águas do Betari.

A pousada da Diva é simples, porém o atendimento é muito bom, o café da manhã é apetitoso e realmente nos prepara para enfrentar a caminhada, o lanche de trilha é bem reforçado e o jantar nos devolve as energias e calorias perdidas.

Muitas das formações que vislumbramos nas cavernas demoram mais que nossa própria vida para adquirirem essa forma, me senti um fino grão perto dessa grandeza de séculos. É triste pensar que o homem é capaz de destruir em instantes o que pacientemente a natureza moldou...

Espero que a administração do Parque, a comunidade da região, a Secretaria do Meio Ambiente do Estado e os demais envolvidos, continuem a lutar pela preservação desse patrimônio natural visando mantê-lo vivo para as próximas gerações.Cada um vive sua própria experiência, faz sua própria história da viagem, tem o seu olhar e ângulo no ato de fotografar, de conhecer as pessoas e o lugar.

Esses detalhes cria um ambiente rico em relatos repletos de cor e emoção. Nos despedimos do local com o sol a iluminar a estrada de volta. Ficou a saudade desse pedaço do Brasil que é um verdadeiro paraíso em biodiversidade, as lembranças registradas nas fotos e no coração e o intenso desejo de retornar.

sexta-feira, 3 de outubro de 2008

A música e a arte como inspiração de viagem

A música já faz parte do universo do homem há muito tempo. Os relatos antigos já nos falam do encantamento dos faraós e califas com os cânticos de mulheres com seus instrumentos e vozes suaves, das festas regadas com canções e danças que maravilhavam os nobres nos palácios medievais e tantos outros mais. Seja nas igrejas, tabernas, praças, ruas e nos movimentos históricos, a música foi tomando cada vez mais forma, transformando-se e conquistando cada dia mais espaço.

Atualmente grandes festivais movimentam muitas pessoas em busca de vários ritmos musicais: rock, samba, forró, jazz, clássico, mpb e por aí seguimos em várias trilhas do som embalados pelo canto e pela dança. A música, portanto, tem contribuído muito para o turismo e precisamos estar cada vez mais atento as várias nuances desse elemento vibrante que sempre apresenta novas tendências. Um encontro musical é sempre contagiante, os shows sempre atraem muitas pessoas para prestigiar o seu ritmo, banda e cantor preferido.

São várias as festas que posso aqui citar, o carnaval regado de samba, do frevo, maracatu e suas diferenças regionais, a festa de São João com o forró que faz muita gente dançar a noite inteira nas várias cidades nordestinas, os rodeios que agitam o interior paulista, os festivais de inverno, de teatro, de cinema, literatura e tantos outros mais. Muitos festivais recebem o patrocínio de grandes empresas que utilizam-se desses eventos para divulgar sua marca. Outro fator importante é a parceria, muitas vezes promissora, que pode ser estabelecida entre o setor público e privado na promoção de programas culturais.

Os municípios precisam investir em projetos para descobrir e desenvolver os talentos existente em sua própria comunidade e começar a promover a cultura local através de eventos que faça até o próprio morador conhecer o que sua cidade oferece. Afinal, a música, assim como outras manifestações artísticas como o teatro, literatura e o artesanato, podem servir de foco para promoção de eventos como fonte de desenvolvimento da atividade turística na cidade, cativando com isso a própria população local e demais visitantes a apreciarem o que a cidade oferece de atrativo pela face da arte que sempre vem acompanhada de entretenimento, conhecimento e beleza.

Com um bom planejamento que integre as secretarias de educação, cultura e turismo, o município pode fomentar o setor turístico através da semente da arte. Isso contribui para divulgar a imagem da cidade atraindo cada vez mais turistas e com a receita advinda do turismo a cidade pode continuar a investir em infra-estrutura para atender cada vez melhor os visitantes e melhorar a qualidade de vida da população. É essencial que a comunidade possa colher as flores do jardim semeado com a magia da expressão da arte como forma de inclusão social e não de exclusão.

A arte, essa gigante teia de significados culturais, nos ensina a conhecer, compreender, interpretar ou simplesmente contemplar o mundo com seus diversos retratos que nos mostram diferentes e fascinantes histórias. Por tudo isso, ela será sempre uma forte inspiração para viagens curtas ou longas, próximas ou distantes, rumo a um destino de muitas descobertas e emoções.