segunda-feira, 6 de abril de 2015

Diferenças no atendimento médico

Hoje acordei com forte dor na coluna e segui logo cedo ao Pronto Socorro. Com dor, sozinha, o tempo até ser atendida parece longo. Já chegamos ao hospital numa condição debilitada quando estamos doentes. Quando fui chamada pelo médico senti alívio. Entrei no consultório e o médico nem respondeu ao meu cumprimento de bom dia. Já perguntou o que estava sentindo. Depois de falar, sem examinar nada, ele já estendeu a ficha e disse: “é só levar para medicação”. Saí dali com direção a sala de medicação com a sensação de que aquele profissional não estava contente em estar ali naquela manhã para atender os pacientes. Não precisa ser dócil depois de um domingo de Páscoa, no entanto, um mínimo de educação e atenção ao paciente é fundamental no atendimento hospitalar e em outras atividades.

Felizmente a enfermeira que aplicou a medicação foi atenciosa. Já não é agradável ir ao hospital e quando recebemos um atendimento assim, temos vontade de nunca mais retornar. Infelizmente é recorrente ouvir relatos de atendimento ruim em hospitais e consultórios. É fácil identificar quem exerce a profissão com amor e quem está ali pelo salário ou sei lá qual motivação. Eu passo meus filhos pequenos por uma pediatra que é exemplar e cada atendimento amplia minha admiração pela sua dedicação em atender bem. E cada vez que vou ao Pronto Socorro e me deparo com um atendimento como o de hoje, acredito cada vez mais que fazer o que ama faz toda diferença na sua vida e também na vida das pessoas com as quais se relaciona.

Novo Pronto Socorro Jd D´Abril - Crédito imagem: Site Prefeitura Osasco

Nenhum comentário:

Qual caminho você escolhe?

Treine a mudança de seu pensamento. Não desanime. Seja persistente. “Falar é fácil, difícil é fazer” “Ninguém me ajuda. Tudo dá errado” ...